Os 11 melhores livros de Chico Buarque

Sem categoria

[Postado originalmente no Indique um Livro]

Francisco Buarque de Holanda
(Rio de Janeiro, 1944)

O Chico Buarque escritor é tão antigo quanto o compositor e o cantor, mas foi apenas nas últimas décadas que o romancista apareceu. No entanto, ele já ensaiava alguns escritos aqui e ali, como Fazenda Modelo – Novela Pecuária (1974) e a historinha de Chapeuzinho Amarelo (1980). Seus livros, atualmente, têm estado em constante alternância com seus discos: de dois em dois anos um deles aparece há mais de uma década e as similaridades entre eles não passa daí. Se nas músicas Chico Buarque ainda mantém o modelo de composição que aprendeu com Tom Jobim e toda aquela geração, no escritor estão marcas mais profundas de uma identidade que não aparece na persona pública do autor. A principal relação entre seus livros está no uso de um personagem principal no masculino que permanece quase sempre alheio ao mundo exterior, como se fosse um estrangeiro onde quer que esteja. Assim, suas relações com os outros e com a sociedade é quase sempre mediada por essa imagem turva, labiríntica e alucinada na cidade contemporânea. Chico Buarque é um autor que procura e ousa, e na maioria das vezes chega bem perto de algum lugar muito relevante na história da literatura brasileira e da arte atual.

https://i2.wp.com/s3.amazonaws.com/img.iluria.com/product/2361CB/53AF42/450xN.jpg?resize=214%2C314

Roda Viva (1967)

O espetáculo conta a história de um ídolo da canção que decide mudar de nome para agradar ao público, em um contexto de uma indústria cultural e televisiva nascente no Brasil dos anos 60. O personagem é a representação de uma figura manipulada – pela indústria fonográfica e/ou imprensa – que promove uma reflexão sobre a cerca da sociedade de consumo. A peça é encenada em dois atos, contando a ascensão e queda de Benedito Silva, que passou a adotar o nome de Ben Silver. Mas o que marcou a peça foi a sua agressividade proposital com o intuito de chocar o público para os problemas que cercavam o país na época. (Fonte)

A peça ficou conhecida por ter sido invadida pelo exército da ditadura militar e tendo a peça sido interrompida com extrema violência pelo regime. Trata-se de um dos primeiros gestos de resistência de Chico Buarque.

https://i2.wp.com/tudoup.com.br/media/noticias/destaque-157_ChapeuzinhoAmarelo.jpg?w=1170

Chapeuzinho Amarelo (1970)

Chapeuzinho Amarelo conta a história de uma menina com medo do medo — uma menina amarela de medo — que transforma a fantasia dos contos em sua própria realidade, chegando ao ponto de não brincar, não se divertir, não comer, nem mesmo dormir. Enfrentando o desconhecido “O Lobo”, ela supera medos, inseguranças e descobre a alegria de viver. Com sensibilidade, Chico Buarque constrói um texto no qual aparece com transparência o valor mágico que o autor atribui à palavra e não só trata com maestria nossos medos, como também, ensina as crianças a superar suas fobias. (Fonte)

https://i0.wp.com/mlb-s2-p.mlstatic.com/livro-calabar-de-chico-buarque-e-ruy-guerra-17420-MLB20137357623_072014-F.jpg?resize=272%2C377

Calabar: o elogio da traição (1973)

Calabar é o título da peça de teatro musicada, escrita em 1973 por Chico Buarque e Ruy Guerra. Na peça, Domingos Calabar passa de comerciante que visava o lucro e que, por isto, traíra os portugueses e colonos brasileiros – para um quase herói, que tinha por objetivo não o ganho pessoal, mas o melhor para o povo brasileiro. A intenção dos autores, porém, não era denunciar um erro histórico, nem tinha a pretensão de promover uma revisão: o alvo era, justamente, o próprio regime militar, sua censura, os veículos de comunicação que, engessados pelas versões dos fatos sempre acordes com o sistema, passavam ao povo imagens que precisavam ser questionadas em sua veracidade. (Fonte)

https://i1.wp.com/mlb-s1-p.mlstatic.com/fazenda-modelo-chico-buarque-14015-MLB163931142_6562-O.jpg?resize=224%2C344

Fazenda Modelo (1974)

A Fazenda modelo (1974) é uma comunidade bovina que começa a crescer e que se vê – através da liderança mansa do boi Juvenal, o bom – submetida a um processo radical de transformação, de “progresso”: em que tudo que era natural é considerado “atrasado” ou “pecado” e passa a ser cientificamente regulado. Destroem-se todas as formas de auto-regulação do indivíduo, desde as alimentares até as sexuais: a procriação na Fazenda Modelo estava garantida através da inseminação artificial – do banco de espermas do touro Abá, o Grande Reprodutor. Juvenal abolira o relacionamento sexual do rebanho, totalmente voltado à reprodução. E o filho de Abá, Lubino, deveria suceder o pai nessa gloriosa tarefa de “rapador” da Fazenda Modelo.

Em Fazenda modelo, “novela pecuária”: Chico Buarque tece uma alegoria sobre a sociedade dos homens – falando, no entanto, exclusivamente de bois e vacas.
Trata-se de uma parábola sobre o poder, a respeito das formas de dominação social sobre o rebanho humano. E a forma de dominação mais radical é usurpar do indivíduo – sempre em nome dos mais santos princípios – qualquer possibilidade de assumir seu próprio destino pessoal.

Fonte: http://www.chicobuarque.com.br/construcao/lit_fazenda.htm

gota-d-agua-chico-buarque-e-paulo-pontes-1-edico_MLB-O-189535250_3961 

Gota D’água (1975)

Gota D’água (1975) é de autoria de Chico Buarque e Paulo Pontes. A peça atualiza a obra teatral Medéia de Eurípedes para o mundo atual, especificamente o subúrbio brasileiro da década de 70. Os autores dizem no prefácio que “O fundamental é que a vida brasileira possa, novamente, ser devolvida, nos palcos, ao público brasileiro. Esta é a segunda preocupação de Gota d’Água. Nossa tragédia é uma tragédia da vida brasileira.

A peça conta a história de Joana, uma umbandista, que é largada pelo marido Jasão que a troca por uma moça filha de um magnata que lhe promete uma carreira de sucesso como cantor. A canção Gota D’água se torna um sucesso e Joana é deixada de lado para criar os dois filhos, mas…promete vingança a Jasão. A peça, nos modelos da tragédia, que inclui a famosa catarse possui algumas das mais belas músicas de Chico como Basta um dia, Flor da Idade, entre outras. É um marco no nosso teatral e um projeto arrojado de Chico Buarque que vale a pena ser lembrado.

https://i1.wp.com/mlb-s2-p.mlstatic.com/livro-opera-do-malandro-de-chico-buarque-14736-MLB20090200993_052014-F.jpg?resize=548%2C411

Ópera do Malandro (1978)

“A multidão vai estar é seduzida” – Teresinha Fernandes de Dutran – personagem da Ópera do Malandro

A Ópera do Malandro, de Chico Buarque, de 1978, é provavelmente o musical brasileiro mais famoso. Representante de um símbolo de nossa cultura, o malandro – o barão da ralé – vive em nosso imaginário, sendo ao mesmo tempo nosso herói e violão. Chico Buarque, na nota preliminar do livro (Edição do Círculo do Livro, de 1978, afirma: “O texto da ‘Ópera do Malandro’ é baseado na ‘Ópera dos Mendigos (1728) de John Gay, e na Ópera dos Três Vinténs (1928), de Bertolt Brecht e Kurt Well.”

Um cafetão de nome Duran, que se passa por um grande comerciante, e sua mulher Vitória, que do nome nada herdou. Vitória era uma cafetina que, na realidade, vivia da comercialização do corpo. A sua filha Teresinha era apaixonada por uma patente superior, Max Overseas, que vive de golpes e conchavos com o chefe de polícia Chaves. Outras personagens são as prostitutas, apresentadas como vendedoras de uma butique, e a travesti Geni, que só serve para apanhar, cuspir e dar para qualquer um.

https://i0.wp.com/mlb-s2-p.mlstatic.com/a-bordo-do-rui-barbosa-chico-buarque-autografado--14647-MLB214388286_2409-O.jpg?resize=349%2C262

A bordo do Rui Barbosa (1981)

      O livro foi escrito nos anos 60 e publicado somente em 1981, com as ilustrações de Vallandro Keating e um requintado projeto gráfico assinado também por Dalton de Luca, José Roberto Graciano e Ricardo Ohtake. Agora, você pode ler a versão web desta obra, clicando na capa ao lado. Com a palavra o próprio autor:

“O poema é de 63 ou de 64. Anos que nós dois dedicamos a não estudar Arquitetura. Ele era o malandro e eu era o carioca. Fazíamos bossa-nova nos porões da FAU, Ele de violão e eu de letrista. Lembro que o malandro usava umas calças sem bolso e, como homem não podia andar de bolsa, ele vivia cheio duns papéis na mão. Quinze anos depois o Vallandro me aparece com esse poema bem amassado. Custei a me reconhecer. Depois que ele mostrou a idéia dos desenhos, achei muito bonito. Ficou como se o malandro tivesse musicado a letra do carioca”.

Chico Buarque, Rio, maio de 1981

estorvo-chico-buarque-ed-cia-das-letras_MLB-O-101718844_2028 Estorvo (1991)

Estorvo (1991) é o romance de estreia de Chico. É sobre um personagem estranhíssimo que pelo olho mágico vê um homem que parece lhe espiar. Começa, então, um caminho obsessivo atrás de nada, através de uma lógica desenraizada, sem qualquer estrutura, inclusive, intelectual e racional. Esse rapaz que está sempre a um passo da alucinação e do sonho, permanece por toda sua trajetória pelos espaços atormentado por tudo e por nada: é a cidade e são as pessoas que impõe uma forma de deslocamento do “eu” construído por Chico Buarque que parece completamente fora do eixo do mundo. Sem centro ele perambula e o mundo é completamente turvo como a imagem de um olho mágico.

  benjamim-chico-buarque_MLB-F-4584023323_072013

Benjamin (1995)

Benjamin (1995) é sobre Benjamim Zambraia que vê em Ariela Masé a imagem de uma mulher que conhecera muito tempo atrás. Essa obsessão entre a imagem dessa jovem moça e a memória do passado se misturam numa confluência de tempos dentro da cabeça de Benjamin e faz com que sua capacidade de perceber o mundo seja profundamente modificada. Assim como em O Estorvo, Chico Buarque tira o “eu” da personagem do centro e, desfocado, ele não consegue se colocar: algumas vezes está alheio, alienado e não percebe nada do que se passa, em outras não consegue se comunicar, pois a Ariela de agora é apenas um reflexo da outra anterior. Além disso, o corpo de Benjamin, seduzido por essa fantasmagoria do passado encarnado no presente, mostra claras marcas de um anacronismo que se dá entre a subjetividade e a realidade.

Minhas-imagens

Budapeste (2003)

Budapeste (2003), como José Miguel Wisnik diz na contra-capa do livro, se torna poesia no instante em que acaba. A obra é de uma inventividade de linguagem poucas vezes vista na literatura brasileira, fato ressaltado não por mim, mas por José Saramago. O enredo é sobre José Costa, um escritor fantasma que conhece Kriska em Budapeste e começa uma relação com ela ao mesmo tempo em que aprende o Húngaro. Aos poucos, a língua na boca das personagens vai se tornando o monumento de linguagem poética construída palavra a palavra em um jogo alucinado entre José Costa, sua esposa Vanda e seu novo amor Kriska. Essas três instâncias de linguagem, como um caleidoscópio, buscam se encontrar, mas fracassam em cada tentativa.

 LeiteDerramado

Leite Derramado (2009)

Leite Derramado (2009) é o penúltimo livro do escritor e, por acaso, o pior.  Conta a história de um velho que, na cama de um hospital, nos últimos momentos da vida, relembra o seu passado e tenta recompor sua história. A fixidez do velho e o excesso de lembranças que passam por eles, vindas desde o surgimento da família lá com os portugueses até à decadência socioeconômica do presente, desloca a narrativa daquilo que Chico vinha se especializando em fazer: montar um mundo alucinado. A memória, sempre mais lenta que qualquer gesto, esfria o livro e faz que tudo fique estático, imaginativo, burguês, como se Chico, enfim, tratasse da quantidade de tradições que ele próprio é obrigado a carregar e não consegue escapar. Parece o livro de um homem que vislumbra no retrovisor o fim da vida e precisa, de alguma forma, ficcionalizar as memórias a fim de que elas se tornem mais claras e palpáveis.

O Irmão Alemão (2014)

O Irmão Alemão (2014), de Chico Buarque conta a história de Francisco de Hollander, um sujeito que, logo quando criança, encontra em um dos livros da imensa biblioteca da casa – biblioteca por sinal que ocupa todos os cômodos da casa – uma carta de uma mulher alemã que diz ter tido um filho com seu pai. Assim, Francisco passa a vida tentando encontrar pistas, indícios e sinais de que existiria, realmente, um irmão alemão. Passa, então, sua infância, na democracia brasileira, o golpe militar de 64, quando seu irmão, este conhecido, desaparece por conta do regime, até sua vida adulta e seu gradual envelhecimento. O irmão alemão, de Francisco, ou Chico, enfim, esteve presente em toda sua vida, mesmo que ausente.

 O livro não é feito de uma criação, mas de um eterno “fazendo” que coloca em destaque a própria literatura e o contar. Assim, sua obra não para de se revigorar em energia. É possível até que, se fosse reescrever sua obra, sequer uma linha permanecesse. Talvez, por isso, Leite Derramado tenha perdido tanto em relação às suas outras obras: a memória de um moribundo ainda estão muito presas à uma moral, a uma necessidade de permanecer: nesta obra do irmão inexistente, mas real, Chico pode novamente voar.

Leia a resenha completa:
http://indiqueumlivro.literatortura.com/2015/01/03/o-irmao-alemao-de-chico-buarque/