As 7 melhores frases de O Misantropo, de Menandro

Destaque, Listas, Matérias Literárias, Teatro

O Misantropo, de Menandro, é uma comédia grega encenada pela primeira vez no ano de 318 a.C., no evento conhecido como Leneanas, tendo na época ganhado o primeiro lugar na competição. A peça conta a história do velho Cnemon, viúvo, pai de uma menina, que no decorrer da vida tornou-se um homem amargo, que deseja distância de toda a humanidade por ver nela apenas maldades e chateações. Assim, vive isolado em uma casa com sua criada, filha e o filho de um outro casamento. Até que um dia, o jovem e rico Sóstrato passa pelo local e se apaixona pela filha de Cnemon. A história, então, passa a girar em torno da tentativa de Sóstrato em conseguir a mão da moça através da tentativa de aproximação em relação ao velho. No meio disso, a mãe do rapaz aparece para fazer uma oferenda ao Deus Pã, morador do mesmo bosque, para se livrar de sonhos ruins que teve com o filho.

Trata-se de uma das comédias gregas mais bem amarradas e que mais se assemelham com o gênero cômico moderno como conhecemos através de Shakespeare, Moliére, entre outros.

O NotaTerapia separou as melhores frases da obra:

Durante toda a sua existência  ele nunca iniciou conversa alguma, nunca dirigiu a palavra a ninguém, a não ser para reverenciar (constrangido por nossa vizinhança) quando passa diante de mim, Pã; e ainda assim de má vontade, eu bem sei.

A espera aumenta mais a paixão, ao passo que uma ação imediata acaba prontamente com ela.

Não se pode mais encontrar solidão em parte alguma, nem mesmo para se enforcar de ser vontade!

Maldita pobreza! Por que você é esse castigo para a gente? Por que você não se cansa de estar aqui com a gente, intrometida na nossa vida?

Fique sabendo que não há ninguém no mundo mais intratável do que um pobre injustiçado; primeiro, ele fica num estado que dá pena. depois, ele acha que essas coisas são fruto da arrogância e não dá injustiça.

Se todos os homens fossem como eu, não haveria esses tribunais, nem essas prisões para onde eles levam seus semelhantes, não haveria guerra; cada qual viveria contente com o pouco que tivesse. Mas está se vendo que vocês preferem as coisas assim. Pois vivam assim mesmo! O velho ranheta e difícil não vai mais atrapalhar os passos de vocês.

Um amigo certo é muito melhor que riquezas incertas, que você mantém enterradas!

Edição: Coleção Universidade, Edições de Ouro