Por que Clarice Lispector é tão “citável”?

Destaque, Listas, Matérias Literárias, Notícias

As palavras de Clarice Lispector, literalmente, caíram na boca do povo. Ao mesmo tempo, palavras da boca do povo caíram na boca de Clarice, sem que ela tivesse realmente escrito tais pensamentos. A simbiose entre pessoas na internet e frases de Clarice Lispector chegou a tal ponto que, na maioria das vezes, ou nem as lemos mais ou duvidamos de cara que tal frase tenha sido realmente dita pela escritora. É aquela coisa, na dúvida, é melhor achar que não. De qualquer forma, meu objetivo é investigar porque, num universo de tantos escritores nacionais e de tantos pensadores, foi justamente Clarice a escolhida para receber essas palavras. As perguntas que busco responder são:

O que há nas palavras de Clarice que representam tanto uma geração e, o que há em Clarice que a faça portadora e merecedora das frases desta mesma geração?

Como é descrito com perspicácia na contracapa dos livros da escritora lançados pela Editora Rocco, a escrita de Lispector está numa confluência de paradigmas entre o Realismo-Naturalismo e o Realismo-Simbolismo, ou seja, as coisas que ela narra materialmente existem, embora estejam imersas no berço de um simbolismo que procura uma espécie de essência, algo que transforma o evento único em algo exemplar e que, como todo paradigma, altera e compõe essencialmente o ser.

O que quero dizer com isso é que a obra de Clarice é, basicamente, composta de um idealismo e uma metafísica da linguagem. Suas personagens, seja Macabéa de A Hora da Estrela, G.H. de A Paixão Segundo G.H., ou Lóri de Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres, estão colocadas diante de situações limites em que a prática cotidiana não revela apenas a si própria, mas algo que transforma esses momentos em algo de essencial, que se desvela na ontologia desses seres. É o que muitos chamam de “momento de epifania” dentro das obras de Lispector.

No entanto, discordo, pelo menos em partes, desse conceito de epifania, pois creio que as personagens de Clarice não chegam ao ponto de “encontrar finalmente a última peça do quebra-cabeça e conseguir ver a imagem completa”, pelo contrário, creio que toda sua metafísica não se dá nessa revelação, mas no corpo das personagens: G.H. revela seu “deus interior” ao sentir o sabor das secreções da barata, Lori o faz ao entrar nua no mar logo ao amanhecer e Macabéa ao sentir tesão pelos homens e vida pela primeira vez. Enfim, nenhuma delas descobre e toma posse do mundo, mas é o mundo em si, a terra e a vida que se encenam em seus próprios corpos.

Pode-se dizer, então, que por ser uma literatura de um idealismo e uma metafísica, a forma em que Clarice constrói a linguagem afasta a “materialidade” da própria. De certa forma, o que busca a escritora não é dizer o que se está dizendo, mas como ela própria diz,

“dizer ao correr da máquina”.

Por esse motivo, o que se lê não é, necessariamente, o que ela quer que seja lido, mas aquilo que ela coloca como forma de acessar esse ser, esse corpo e essa estrutura. Suas frases, fora de contexto, podem significar tudo e qualquer coisa, uma vez que, fora do todo, são ineficazes e incapazes de gerar no corpo, palavra a palavra, o acesso que a mesma busca na sua escrita.

Apenas como um contraponto sobre a escrita de Clarice, observemos a forma de um escritor como José Saramago: Ateu, marxista, materialista e dialético; Saramago busca materialmente, em cada signo dizer exatamente aquilo que eles dizem. O objetivo é criar uma matéria de composição de escrita em que um discurso seja implementado e radicalmente imposto. Assim, como é uma lógica de discurso dialético em que ideias se encadeiam eternamente, é significativamente mais complexo retirar suas frases de contexto para cita-las e, quando o fazem, é simplesmente nos breves momentos em que Saramago se deixa concluir uma ideia para empreender outra.

Ao contrário, Clarice não forma ideias e não as fixa: cria instantes, momentos, sinapses, situações que, logo que se constroem, se dissolvem dentro de si próprias em uma narrativa que geralmente se alucina para algo que se perde para um cotidiano que retorna.

Os breves momentos que se vão, se tornam, por fim, o berço desta geração sem centro, mas sem a capacidade de alucinação de Clarice. Apesar disso, ao citar Clarice, achamos que retirando a autora de contexto ou inventando palavras em seu nome, vamos conseguir recuperar toda a viagem que suas personagens fazem em suas obras. Uma dica: não vamos.

Postado originalmente em:
http://literatortura.com/2013/12/por-que-clarice-lispector-e-tao-citavel/