10 incríveis ilustrações baseadas nos maiores clássicos do teatro brasileiro

Destaque, Listas, Matérias Literárias, Teatro

O teatro é uma arte que vive em crise, mas nunca morre. E não morre porque amamos teatro. Porque não conseguimos deixar ele morrer. Nossos dramaturgos fazem parte da nossa história. Nossos atores, diretores, cenógrafos, iluminadores, figurinistas. Todos. Como deixar de lembrar nomes como Nelson Rodrigues, Plínio Marcos, Ariano Suassuna e tantos outros grandes nomes do nosso teatro?

Para lembrar os nomes do nosso teatro e para comemorar o Dia Nacional do Teatro, comemorado dia 19 de setembro, o ItauCard fez uma série de ilustrações incríveis sobre as principais peças do nosso país. Confira:

As imagens podem ser vistas na página do facebook do ItauCard.

1- Auto da Compadecida

14364647_1089933037710376_6447564823133940920_n-1

Amigo, veja bem, tenho uma história pra lhe contar.
É o caso de João e Chicó, uma dupla exemplar.
Não sei se é um repente ou cordel,
Mas é um “auto” que foi além de fala ou papel.

2- O Mistério de Irma Vap

14322762_1089933041043709_2107280261336081772_n

Em novembro de 1986, “O Mistério de Irma Vap” estreava no Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro, com direção de Marília Pêra, pra inaugurar o chamado “teatro do ridículo”. 11 anos em cartaz com o mesmo elenco, agora é chamada de “teatro de fenômeno”. Ney Latorraca e Marco Nanini alternavam-se na interpretação de 16 personagens, trocando de roupa, identidade e voz em menos de 6 segundos.

3- Os Sertões, de José Celso Martinez Corrêa

14344319_1089933194377027_596687154854029155_n

Quando os portões do Teatro Oficina se abrem a primeira sensação é de medo. Se a lógica dita ao cérebro que é o formato é o de uma avenida, a catarse antropofágica convence de que é uma faringe. O público escorrega para dentro do Teatro como se fosse um pedaço de carne mastigado, e acha nas arquibancadas verticais algo onde se segurar do que está por vir.

4- Trair e Coçar é só Começar, de Marcos Caruso

14316871_1089933207710359_2592779268386075468_n

Menina, tenho que te contar uma fofoca. Sabe a Olímpia, a empregada da dona Inês e do seu Eduardo? Pois é, achou que dona Inês traía seu Eduardo e aprontou uma confusão quando eles estavam preparando a festa de 16 anos de casados. Pois é! Quando foi isso?

5- Minha querida Dama

14355105_1089933121043701_2125028911627292583_n

Se fosse feita uma música para homenagear o Teatro Brasileiro, a sequência de notas perfeitas seria dó-ré-bi. Porque Bibi Ferreira, ao lado de Paulo Autran, colocou o musical “Minha Querida Dama” na partitura dos maiores sucessos dos palcos nacionais.

6- Ópera do Malandro, de Chico Buarque

14344912_1089933124377034_6152321908823581457_n

“Luísa”: “Ópera do Malandro” “já passou”, “Meu caro amigo”?
“Jorge Maravilha”: “Já passou”, “Luísa”. “Você não ouviu”? “Geni e o zepelim” “todos juntos”.

7- Navalha na Carne, de Plínio Marcos

14329940_1089933147710365_9088230076010433894_n

A estreia da peça “Navalha na carne” no Rio de Janeiro, em 1968, seria com as portas do Teatro Opinião completamente fechadas. O Exército proibiu a apresentação. Tônia Carrero, já uma atriz consagrada, levou a peça para sua casa, enquanto eram distribuídas senhas para o povo saber o local. Repórter de um tempo mal, o dramaturgo Plínio Marcos teve praticamente toda a obra censurada, e fez do submundo sua manchete.

8- Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues

14359239_1089933251043688_3452042820746278347_n

Senhoras e senhores, estamos hoje aqui reunidos para celebrar o amor entre Nelson Rodrigues e o Teatro. “Vestido de Noiva”, união desse amor, nasceu em 1943, em uma montagem que mudou para sempre a história dos palcos. Enquanto muitos casais faziam apenas um plano de vida, Rodrigues imaginou três: realidade, alucinação e memória.

9- A Partilha, de Miguel Fallabela

14322426_1089933197710360_2144281433665052054_n

“A partilha”, escrita pelo ator, dramaturgo, diretor de teatro, dublador, cineasta, escritor, autor de novela, estreou em 1990, ficou 6 anos em cartaz, foi montada em 12 países, e depois virou filme de sucesso (ufa!).

10- José, do parto à sepultura, de Augusto Boal

14292307_1089933034377043_3968471437051378746_n

“José, do parto à sepultura” estreou em 1961, no Teatro de Arena, e foi um dos muitos trabalhos cujo leme era o Teatro do Oprimido, método criado por ele que coloca a arte a serviço da inclusão social. Augusto Boal, diretor da montagem e um dos mais importantes nomes do cenário mundial, contava a seguinte história: certa vez, ele desenvolveu um trabalho com um grupo de empregadas domésticas dos sindicatos. Provocado por uma delas, ele apresentou o trabalho em um teatro de fato.

Fonte: https://www.facebook.com/itaucard/